Meeke conquista segunda vitória do ano na Finlândia

Kris Meeke foi o mais forte e tornou-se apenas no sexto não nórdico a vencer o Rally da Finlândia em 65 anos de história da prova mais rápida do Campeonato do Mundo de Ralis. A correr em casa Latvala foi segundo, Neuville venceu o Power Stage e Ogier ficou, pela primeira vez a zeros desde o Rally da Catalunha do ano passado.

A Citroën não está a participar na totalidade do Campeonato do Mundo de Ralis deste ano, tendo optado por desenvolver o carro com vista às novas regras que vão entrar em vigor em 2017, mas os sinais que a marca está a deixar são claros. Nas duas últimas rondas em que alinhou ao mais alto nível (Vodafone Rally de Portugal e agora na Finlândia) deu cartas e ofuscou por completo a concorrência. A continuar assim, na próxima época Volkswagen, Hyundai e Ford vão ter grandes dores de cabeça pela frente... e os respectivos pilotos também!

Kris Meeke repetiu o mesmo nível de prestação apresentado em Portugal, assumindo a liderança logo na segunda especial, ganhando significativa vantagem ao longo dos segundo e terceiro dias para depois gerir tranquilamente a vantagem no derradeiro dia de prova.

Jari-Matti Latvala, o melhor representante da Volkswagen ainda foi o único que lhe consegui oferecer alguma luta, mas cedo ficou claro que o piloto da casa não conseguia encontrar os argumentos necessários para superar o britânico e conquistar a terceira vitória consecutiva na prova mais rápida do calendário, terminando 29,1 segundos de distância.

Outra das surpresas foi a prestação do colega de equipa de Meeke. Craig Breen está a estrear-se aos comandos do DS3 WRC este ano e levou a cabo apenas a terceira prova da carreira na principal categoria do Mundial de Ralis, mas isso não o impediu de garantir o melhor resultado da carreira até ao momento. Nos dez primeiros da geral desde o primeiro dia, e definitivamente no Top 5 desde a 11ª especial, o irlandês acabou a prova no mais baixo do pódio depois de levar a cabo um rali brilhante, bem pensado, sem erros e até mesmo com uma vitória numa especial, precisamente neste domingo com o triunfo na penúltima classificativa para concluir 1:41,3s da frente.

Mas o resultado de Breen não foi fácil de garantir. Ott Tänak (Ford) primeiro, e Thierry Neuville (Hyundai) depois ofereceram muita luta. O estónio pressionou forte enquanto recuperava o terreno perdido no primeiro dia e que o deitou na altura para 10º da geral, mas acabou por ficar fora de prova hoje com uma saída de estrada. Contudo, a partir dessa altura o irlandês passou a lidar com os ataques diretos do belga. Ainda assim, Breen mostrou-se a muito bom nível para terminar com 4,6s de margem sobre Neuville, enquanto o colega de equipa Hayden Paddon terminava a mais 2,3 segundos, em quinto.

Mads Østberg (Ford), Andreas Mikkelesen (Volkwagen), o melhor WRC2 Esapekke Lappi (Skoda), Kevin Abbring (Hyundai) e Teemu Suninen (Skoda) completavam o Top 10.

Para esquecer foi a prova do Campeão do Mundo em título e presente líder da classificação geral Sébasiten Ogier. O piloto da Volkswagen deitou tudo a perder com um erro logo na sexta-feira que o fez perder imenso tempo; de tal forma que nem mesmo as eventuais vitórias em especiais lhe valeram para terminar nos pontos. A juntar isto, o gaulês também não conseguiu somar um único ponto de bonificação no Power Stage, pois não foi além de quinto. Com este resultado são já seis as provas consecutivas em que Ogier não ganha, se bem que esta foi, por ventura, aquela em que mais pontos perdeu para os rivais desde o México.

31 de Jul de 2016

 

Bookmark and Share

 

 
Patrocínios/Parceiros